Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

 VERSÃO em PDF

nossos parceiros

Visite nossa página no facebook

MYRMES

Por Ricardo Amaral, publicado em 21 de abril de 2016.

 

Uma formiga nunca está sozinha. Quando vemos alguma correndo por aí, rapidamente muitas outras surgem, como se aparecessem do nada! Você sabe como isso acontece? Ou porque elas andam sempre em fila indiana? Compreender as relações ecológicas e os processos químicos utilizados pelas formigas para encontrar comida pode ser mais fácil a partir de um jogo de tabuleiro.

 

Figura 1: Caixa do Jogo. Belíssima arte.

 

Myrmes trata do labor cotidiano das formigas, em que cada jogador comanda um formigueiro em busca de alimento, além de procurar desenvolver cada vez mais sua sociedade e expandir o seu território. O jogo trata, de forma lúdica, diversos aspectos da sociedade dentro de um formigueiro.

Dentro do universo do jogo, os cilindros octogonais, representando as enfermeiras, são utilizados na mecânica de alocação de trabalhadores, pela qual, em cada ponto do tabuleiro individual onde se coloca uma ou mais enfermeiras, ativa-se a ação daquela área, desde que pague o custo necessário (larvas, terra, pedra, comida, operárias). Essas ações culminam com a criação de soldados (para a proteção do formigueiro), operárias (para a exploração, ampliação do formigueiro e busca por alimentos), novas enfermeiras (para acelerar a criação de novas formigas) ou a expansão do território, seja abrindo novos túneis ou novas saídas para a superfície. Cada tipo de formiga tem seu espaço próprio, no tabuleiro individual, que representa o formigueiro de cada jogador.

Figura 2: O formigueiro do jogador amarelo. Os cubos brancos, no canto superior esquerdo são as larvas. As formigas no canto superior são soldados e aquelas no meio da imagem são operárias. Os cilindros octogonais representam as enfermeiras. O cubo cinza é uma pedra que está guardada no armazém, e o disco amarelo mostra o nível de desenvolvimento do formigueiro.

 

Uma formiga operária, quando sai do formigueiro à procura de alimentos, deixa um rastro de feromônio, de modo que outras formigas consigam ter acesso ao alimento encontrado. Isso é representado, no jogo, a partir da saída de uma formiga operária para a superfície, tendo ali, como ação possível, a possibilidade de colocar tiles (fichas) de feromônios no tabuleiro principal. Ao fazê-lo, o jogador coloca sobre o tile, um tipo de recurso correspondente à área do tabuleiro que foi encoberta (alimento, pedra, terra), podendo coletá-los posteriormente, levando-os para o interior do formigueiro. A imagem nos tiles de feromônios são bem sugestivas, com formigas no seu vai-e-vem frenético enquanto transportam os recursos para sua colônia.

 

Figura 3: Espalhando o feromônio na superfície

 

No mundo real, quanto mais formigas percorrem uma determinada trilha, mais forte é o feromônio liberado, fortalecendo a trilha. Entretanto, quando o alimento se esgota, diminui-se o número de formigas naquela trilha, de forma que o feromônio é dissipado, evitando que as formigas voltem para aquele local onde outrora havia alimento. No jogo, isso também está bem representado a partir da ação em que, esgotando-se os cubos de recursos sobre o tile de feromônio, qualquer jogador, como uma ação, pode retirá-lo do tabuleiro.

Figura 4: as diversas trilhas de feromônio, indicando onde encontrar alimento e recursos.

 

O jogo se passa no decorrer de 3 anos, nos quais as formigas trabalham incansavelmente durante a primavera, verão e outono, buscando armazenar alimentos suficientes para seu formigueiro no período do inverno. Nesse sentido, a fase de inverno é desenvolvida apenas com a alimentação do formigueiro, na qual será necessário descartar 4, 5 e 6 cubos de comida respectivamente para cada ano do jogo.

Figura 5: partida em andamento.

 

 

Usando Myrmes na aula de Ciências

 

Na sala de aula, o jogo pode ser utilizado para mostrar essas relações ecológicas, importantes no dia a dia de um formigueiro. Propomos ao professor que faça alguma modificações nas regras, em que além de dividir a sala em 4 equipes, cada uma com seu próprio formigueiro, dentro de cada equipe, determinar as funções de cada aluno no formigueiro. Nesse sentido, existirão 2 grupos de formigas, as enfermeiras e as operárias (no jogo, as formigas soldados não têm uma ação específica. Apenas representam o "poder bélico" do formigueiro). Assim, os alunos-enfermeiros deverão trabalhar na produção de novas formigas dentro da demanda emergente no jogo, enquanto os alunos-operários buscarão alimentos, espalhando feromônios na superfície. Na expansão do formigueiro, os dois grupos trabalharão juntos. Entretanto, em suas atribuições próprias (enfermeiras e operárias), não poderá um grupo opinar no trabalho do outro. Ou seja, o grupo de operárias não pode dizer às enfermeiras "precisamos de mais soldados", por exemplo. Cada grupo precisará compreender e interpretar a situação do formigueiro e desempenhar sua função, sem o palpite ou a interferência do outro grupo. Para isso, os grupos podem ficar separados na sala, de modo que enquanto as enfermeiras trabalham no tabuleiro do formigueiro, as operárias permanecem longe. Ao trocarem de lugar, as operárias precisarão trabalhar, dentro ou fora do formigueiro, com o que as enfermeiras criaram, em termos de possibilidades, e assim por diante. Assim, vencerá o formigueiro em que os grupos conseguiram desempenhar melhor seus papéis, desnudando-se de suas vontades próprias pelo bem de sua sociedade. Precisarão pensar no coletivo. Afinal de contas, cada aluno é apenas mais uma formiga do formigueiro. Será uma experiência fácil para nossos alunos?

 

Figura 6: o jardim do tabuleiro principal.

Myrmes demonstra ser um excelente recurso para o professor de Ciências e Biologia explicar como os animais que vivem em sociedade se relacionam em prol da sobrevivência de todos, cada um desempenhando o seu papel.

Infelizmente, o jogo ainda não foi publicado no Brasil, sendo encontrado apenas versões em inglês. Para adquiri-lo, somente importando um exemplar ou solicitando sua compra num vendedor ou lojista de sua confiança.

Para saber mais sobre Myrmes, consulte a Ludopédia.

Todas as imagens dessa resenha foram obtidas na ludopédia.

 

Voltar à página anterior.